A arte da inovação como diferencial

A origem da palavra empreendedor vem do francês “entrepeneur” que significa um indivíduo que está disposto a correr risco em prol de algo novo. O conceito de empreendedorismo existe há muitos anos, contudo aparenta ser algo novo devido sua massificação na internet, jornais e revistas. Alem disso vem sofrendo mutações ao longo do tempo no ramo dos negócios.

O Brasil é um país extremamente empreendedor, onde possui um nível relativamente alto de atividade empreendedora: a cada 100 adultos, 14,2 são empreendedores, colocando-o em quinto lugar do mundo. No entanto, 41% deles estão envolvidos por necessidade e não por oportunidade.

Alguns conceitos são importantes; Segundo o economista Schumpeter, o empreendedorismo é a prática realizada por um indivíduo com alto poder de criatividade que gera grandes resultados. Já Peter Drucker entende que o risco é algo relevante ao se falar de empreendedorismo, tendo em vista que o gerenciamento do risco é essencial para o sucesso de idéias inovadoras.

O foco deste artigo é o Intra-Empreendedor, ou seja, aquele que desenvolver inovação dentro do âmbito empresarial e não abrindo um novo negócio, conforme definiu o escritor Pinchot. Dornellas afirma que:

“O empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos produtos e serviços, pela criação de novas formas de organização ou pela exploração de novos recursos e materiais”

Os empreendedores dentro da organização possuem características muito diferenciadas e vem merecendo a atenção dos grandes executivos na descoberta destes talentos. Algumas características são básicas e essenciais:

Boa Capacidade de LiderançaDisponibilidade em Assumir RiscosIndependência e CriatividadeOriginalidade e Energia para CriaçãoNecessidade constante de auto-realizaçãoDinheiro como principal medida de desempenhoOrientação direcionada para resultados

Para que as ações empreendedoras assumam um papel decisivo nas organizações é necessária a existência de um ambiente empreendedor. Para isso é essencial que a alta administração da empresa esteja envolvida e comprometida em incentivar ações empreendedoras de forma efetiva. Isso ocorre por meio de algumas iniciativas, tais como:

1- Interação com a intranet: Criação e Manutenção de um Espaço para o funcionário lançar suas idéias inovadoras no portal da empresa, garantindo assim sua divulgação e possível reconhecimento.

2- Premiação ou Reconhecimento Formal: Promover Eleição mensal da idéia mais inovadora e criativa com atribuição de um prêmio simbólico e homenagem pela conquista. A partir desta iniciativa o impacto das ações empreendedoras passa a exercer grande divulgação e comoção dentro da organização.

3- Avaliação de Desempenho: As ações empreendedoras devem fazer parte de um contexto rotineiro da empresa, por isso, o ideal é inserir como meta de desempenho anual, a implantação de uma idéia empreendedora que traga benefícios para a empresa.

Convém notar que no âmbito brasileiro a falta de tradição e o difícil acesso aos investimentos continuam a ser principais impedimentos à atividade empreendedora quando falamos em abertura de novos negócios; No entanto, esta realidade não é muito diferente no ambiente organizacional, já que boa parte das empresas não libera uma verba específica para este tipo de ação/incentivo.

Outro ponto importante consiste num fator cultural, onde o brasileiro não tem o hábito de fazer planos para o longo prazo; Essa ocorrência deve-se em boa parte à conjuntura econômica do país. Ao mesmo tempo em que é imediatista, também acaba sendo despreparada.

A situação é bem diferente nos países desenvolvidos, onde a índice de financiamento de imóveis é elevado com plano de dez a trinta anos para serem finalizados. Alem disso, dentro do âmbito organizacional também há o incentivo para tais práticas.

Em linhas gerais, é possível concluir a importância que ações empreendedoras podem exercer dentro do contexto empresarial. O conceito de empreendedorismo não deve ser aplicado apenas à abertura de novos negócios, mas também a inovações para aumento de receita, redução de custos, melhoria em processos, entre outros. Com o aumento constante da competitividade, as ações inovadoras aumentam consideravelmente sua importância, pois podem garantir sustentabilidade a qualquer tipo de organização.

 

Fonte: Administradores.com

 

Sobre o autor

Anderson Tonnera iniciou a carreira com formação  em Administração e Pós-Graduação em Gestão da Qualidade pela UFF, optou por utilizar o conhecimento até então adquirido prestando consultoria empresarial em empresas de diversos segmentos pelo Brasil. De forma a explicitar os trabalhos realizados nas organizações, seguem as especificações: Análise, desenho e redesenho de processos.Implantação dos sub-sistemas de recursos humanos em diversas organizações.Implantação de Planejamento Estratégico e desdobramento das ações estratégicas.Treinamento com foco em mudança organizacional.Implantação do BSC.Implantação e treinamento de auditoria interna e adequação de organizações para todos os níveis de certificação.Levantamento e Análise de riscos Operacionais.Valuation (valoração econômica com foco em fusões empresariais).Aplicação de ferramentas da qualidade para obtenção de aumento da produtividade, incremento no lucro e redução de despesas. Caracterizado pela liderança e atuação estratégica em todas as organizações em que atua, adicionou ao seu currículo as Certificações Internacionais em Auditoria Interna e Personal & Professional Coach. Adicionou, ainda, aos seus certificados um curso de mapeamento e modelagem de processos na notação BPM. Autor regular de artigos para a revista Visão Jurídica e o portal da administração, Anderson tem sido acionado freqüentemente por interessados, tendo em vista a grande circulação e utilização de seus materiais sempre claros, técnicos e visionários por toda a rede. Atualmente, desempenha também e de forma eminente, as funções de professor, palestrante, líder de treinamento in company, além de sessões de coaching para executivos que buscam o aumento do desempenho no âmbito profissional e pessoal.